segunda-feira, 10 de março de 2014

VAYÚ - O Deus do Vento.

No Upanishads são numerosas as referências à Vayú, particularmente no Upanishad araniaka Brij, que conta a história das cinco divindades que controlam as funções vitais e sua luta para determinar qual deles é essencial - conhecidas como prana, apana, Vyana, Udana e Samana que controlam a vida: a respiração, o vento,o tato,a digestão e excreção. Quando uma divindade como a visão do homem deixa o corpo, este continua vivendo e se adapta à nova situação como um cego. Isso acontece com cada uma das funções controladas pelos deuses que controlam o corpo, exceto Vayú, que esta história vai provar ser o estímulo essencial que pode desempenhar as suas tarefas e as das outras divindades e, portanto, é o deus que dá suporte à vida.

10º Vaya ou Vayu: Deus do ar, dos ventos, condutor dos sons, dos perfumes. É o pai da música. Pode-se considerar também o deus da tempestade, pois se associa à Indra. Parceiro de Indra é um grande bebedor de soma, a bebida dos deuses hindus e elixir da imortalidade. Foi o primeiro a beber tal bebida.

O MANTRA

Potência da carruagem do vento;
uivando vai, seu estrondo é o da tormenta.
Se toca o céu, deixa nele rastros de fogo;
se vai ao longo da terra, levanta poeira.

As coortes do vento apressam-se em seu seguimento;
vão ao seu encontro como mulheres jovens
ao encontro de amor. Unido a elas na mesma carruagem,
o deus procede: ele é o rei do Universo inteiro.

Avançando pelas rotas do espaço,
jamais repousa um só dia.
O amigo das águas, o primeiro nascido,
o mantenedor da ordem, onde nasceu? De onde veio?

Rig Veda, X:168.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

*BEMVINDO AO BECO DAS INCERTEZAS*